terça-feira, 14 de novembro de 2017

9 DICAS PARA O SUCESSO ESCOLAR! EU & ELA! + GIVEAWAY!

             Passado o entusiasmo inicial do regresso às aulas, do estriar do novo material e do reencontro com os colegas começamos a observar em alguns dos alunos uma certa desmotivação e desinteresse crescentes. Também se apercebem? Mas não é nada disto que queremos pois não?

            Os testes estão à porta e a desmotivação é inimiga dos bons resultados. É exatamente por isso que hoje vos deixamos algumas dicas e estratégias práticas que aumentem a probabilidade de sucesso.... e sucesso gera motivação que gerará trabalho e que resultará em ainda mais sucesso!!! Vamos a isso??

            A organização do local de estudo é essencial. Assim, idealmente deverá ser:
                 - bem iluminado;
                 - adequadamente ventilado;
                 - ter uma temperatura adequada;
                - estar arrumado e organizado (objetos de lazer não devem estar misturados com materiais escolares por forma a reduzir a distração);
             - estudar sentado na secretária (muitos alunos escolhem o sofá ou a cama para estudarem. Desta forma torna-se mais difícil manter a concentração e há lugar a posturas desadequadas que podem comprometer a caligrafia e mesmo a saúde).

            O próprio estudo em si carece de estruturação para que nada falhe. Logo:

            -  elaboração de um horário de estudo (favorece a obrigatoriedade de um estudo diário ao invés de um estudo de véspera e, quando dado a conhecer à família, esta poderá ser um aliado importante no seu cumprimento);
            - os períodos de estudo devem ser ajustados (sessões de estudo mais longas em dias mais leves de aulas e sessões de estudo mais curtas em dias de aulas mais sobrecarregados);
            - entre cada período de cerca de 30 minutos de estudo deverá haver um tempo de pausa para descanso;
            - iniciar o estudo pelas disciplinas mais fáceis, passar às mais difíceis e deixar as de dificuldade média para o final;

            Agora sim não há como falhar ! Bom não é? 

    É importante também termos presente que a motivação vem também dos objetos que nos acompanham nas "empreitadas" de estudo e como não queremos que vos falta nada temos um CONCURSO em parceria com a marca 4estrelinhas !!! 

Temos um maravilhoso estojo plastificado "para arrumarem" o material dos vossos "mais que tudo"!. Para se  habilitarem a ganhar apenas precisam de fazer gosto na nossa página e na página da marca 4Estrelinhas e indicar 3 nomes de amigos nesta publicação.

            Boa sorte!

/o concurso termina no próximo dia 1 de Dezembro/



Eu & Ela
a vossa psicóloga!

domingo, 5 de novembro de 2017

DIÁRIO DE UMA PSICÓLOGA #12

Este fim-de-semana soube-me a Natal. Gosto de entrar em casa e ter uma casa serena à minha espera. E assim foi. Foi meu e D`ELES. Quando digo deles quero dizer que foi passado com grande parte da minha família. E é tão bom. Bom mesmo. Fico de coração cheiinho!

_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _

Quem me conhece sabe que preciso de sair todos os dias um bocadinho de casa nem que seja só para ir tomar café e voltar. Faz-me bem. Faz-nos bem. Por esta razão, normalmente aos domingos de manhã temos já a nossa rotina definida. Mas desta vez foi diferente e não, não foi nada pior.

Fizemos as nossas tarefas, brincámos, lemos histórias e como não podia deixar de ser fizemos o bolo da praxe!!  Bolinhos todos os domingos do outono e do inverno. Esta é uma memória que guardo da minha infância e que gostava muito que os meus filhos também tivessem. A memória de uma casa quentinha com cheiro a pairar de uma comidinha boa. Pode parecer tão simples mas faz-me recordar tempos tão bons em casa dos meus avós paternos. Tempos em que andava de bicicleta e sonhava. Sonhava muito.

Memórias de uma casa com pessoas que cuidam um dos outros e dão o seu melhor. Por falar nisto esta semana que passou o João tinha uma tarefa da escolinha e num dia à noite disse-nos uma coisa que nos encheu o coração: "mamã, nós somos formidáveis porque gostamos muito uns dos outros". É nestas alturas que não tenho a menor dúvida que educar com base na inteligência emocional é das maiores ferramentas que lhes podemos dar. 

 _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ 


Aqui vai a receita do bolo saudável de laranja natural que fizemos hoje de manhã. É tão delicioso quanto fácil de fazer. Dois em um!!

Vale mesmo a pena. Experimentem! 

Ingredientes
1 chávena de sumo de laranja natural
3 gemas
2 chávenas de farinha de trigo
1 chávena de açúcar (usámos açúcar mascavado e meia chávena!)
1 colher (sopa) de fermento em pó
3 claras em neve

Preparação: Bater o sumo de laranja com as gemas e o açúcar. Misturar a farinha, o fermento e, por último, as claras em neve. Levar ao forno para assar em forma levemente untada com um pouco de óleo e polvilhada com farinha. Desligar quando o bolo estiver pronto a comer.
Melhor é impossível!

Encontram outras receitas saudáveis aqui!


hoje fala a mãe!

quarta-feira, 1 de novembro de 2017

FOI ASSIM QUE LHE EXPLIQUEI QUE O AVÔ MORREU.

Tínha-vos prometido este artigo. Como o prometido é devido ... ora cá está!

O avô João faleceu há sensivelmente quatro meses e, como infelizmente antecipávamos, tínhamos que dar a notícia aos meninos em especial ao Joãozinho de cinco anos. 

A causa da morte foi oncológica. Como imaginam, prolongou-se no tempo o que até nos permitiu o ir "preparando" devagarinho. Desta forma, conseguimos pô-lo a par das alterações pelas quais o avô estava e ia passar. 

Sempre lhe contámos tudo. Tudo à medida do que os seus cinco anos e a sua curiosidade conseguem compreender. 

Este é, se quiserem, um dos "truques". Contarmos-lhe sempre a verdade sem fantasiar, sem exagerar mas também sem contar todos os pormenores. Apenas os suficientes para poder responder às perguntas que a sua pequena cabecinha e a sua grande imaginação (própria da idade) lhe iam suscitando. 

Explicamos-lhe que o avô estava doente, que tinha que ir várias vezes a Lisboa fazer tratamentos, que era natural que tivesse menos energia e que o cabelo lhe ia cair.

Com calma e "serenidade" passamos / passaram em conjunto por todo este processo de evolução. 

O avô porque foi das poucas pessoas a quem vi conseguir colocar a doença no seu devido lugar fazendo até ao seu último dia a vida normal e o João porque sempre soube aceitar que as transformações iam ocorrendo e que, a partir dessa altura, os dias seriam assim. 

com compaixão. 

O tempo foi passando (este foi outro aspecto a nosso favor - o facto de não ser uma situação inesperada) e passou, passou até que chegou o dia... o dia em que tive que Lhes dizer.  Aos três.

......

Estávamos de férias numa atividade com os miúdos quando o telefone tocou. Ainda por cima naquela tarde, ao contrário do que muitas vezes é habitual, não tinha o telefone comigo. Quando vi as chamadas .... Eu sabia. Imaginava o que seria. Não foram precisas muitas palavras para perceber. O avô tinha piorado e estava muito muito doente.

......

Cheguei ao pé do pai e dei-lhe um abraço, pedi-lhe que fosse buscar o carro enquanto eu num instante ia ao quarto "atirar" com tudo para dentro das malas. Foi assim que fizemos. O João e o Pedro ficaram com os animadores e em pouco tempo estávamos enfiados no carro. 

.......

No carro disse ao João que como tínhamos andado a conversar o avô estava doente - tinha piorado- e por essa razão tínhamos que ir embora. As férias teriam que terminar. Ele aceitou. Aceitou resignadamente e os dois vieram sem confusão toda a viagem. Colaboraram maravilhosamente bem. Sabiam. Esforcei-me por mantermos dentro do possível as nossas rotinas e o que era habitual nas nossas viagens de carro. Jogámos jogos de palavras, jogos com profissões, cantámos e passadas 6 horas consecutivas chegámos a casa.  O Pedro dormia. Ao João, expliquei que eu e o pai tínhamos que ir ver o avô e por essa razão teria que fica em casa com os outros avós.

.......

De madrugada, nessa mesmo noite, estávamos no hospital. O avô "estava à nossa espera" (é bom pensar assim!!). Fálamos por instantes com Ele, dêmos-lhe água e mostramos-lhe os vídeos dos seus pequenos na praia. Já tinha as fotografias dos netos no ecrã do telemóvel. As lágrimas caiam, claro. Despedimo-nos e fomos para casa com a certeza Eu e Ele que seria a última vez que estaríamos desta maneira. E foi.

......

De manhã o telefone tocou. O nosso coração já sabia. Nesse dia vim buscar o João. Expliquei-lhe que o avô João tinha morrido e que era o dia de se despedir. Conversámos sobre os amigos que também já tinham perdido os avós e surpreendentemente  foi Ele que me contou o episódio do Simba quando perdeu o pai. Não podia ter corrido melhor. Falámos sobre quem ia encontrar  quando chegássemos e o que iria acontecer.

Dormimos.

Chegou o dia do funeral.
Apesar de alguns familiares não partilharem da ideia de o João ir ao funeral Ele foi. Era assim que deveria ser. Era assim que eu considerava melhor, como mãe e como psicóloga, era assim que Ele queria e era para isso que o tinha andado a "preparar". 

Eu sabia que ele compreendia, que precisava e que estava preparado. e foi. E correu bem. Muito bem.

.....

Nessa manhã depois do pequeno-almoço conversámos novamente Eu e Ele sobre como o dia ia correr. Conversámos novamente sobre quem ia estar, o que ia fazer, quando o ia buscar para ir ter comigo à igreja, quem ia encontrar, como iam estar as pessoas, como o iriam abordar, tudo. Tentei dar-lhe toda a informação possível. Descrevi-lhe tudo ao pormenor. - Por incrível que pareça nessa manhã deu o episódio de despedida do Simba do rei.

Fui buscá-lo e fomos para a igreja. Ia sereno. À entrada apertou-me a mão. (Tinha pedido aos presentes para estar tudo calmo) aquando da nossa chegada. Entrámos. Todos os olhares foram para Ele e Ele aguentou-se "à altura". (como se isto existisse!) Entrámos, viu a fotografia do avô (o caixão estava fechado), deixou as flores que tínhamos encomendado e deu um beijinho. Estivemos um bocadinho e quando Ele assim o entendeu, saímos. Dei-lhe um beijinho e foi com a madrinha ao parque.

À noite voltamos a conversar. E chorou. E chorámos. Foi bom. Na sua representação mental o avô foi feliz e tinha muitos amigos. A sala estava repleta de Flores. E é verdade. Tão verdade.

Foi isto.

Um obrigado especial a Todos, sem exceção,
A todos os que nos apoiaram, 
A todos os que nos ajudaram com os meninos, 
A toda a equipa do Hospital de Aveiro,
A toda a equipa da Fundação Champalimaud.


ASPETOS A CONSIDERAR NA COMUNICAÇÃO DA MORTE ÀS CRIANÇAS:

- Propiciar um ambiente calmo e seguro;

- Falar a verdade à medida da sua compreensão e da sua curiosidade;

- Transmitir a ideia da morte como um processo natural;

- Utilizar uma linguagem clara e simples;

- Não mentir nem inventar histórias;

- Não dizer que a pessoa que morreu vai para o céu ou passou a ser uma estrelinha (eu sei que no senso comum é isto que se faz com a melhor das intenções mas não ajuda na elaboração do processo de luto);

- Se a criança tiver vontade e se os adultos significativos considerarem que não é desorganizador pela natureza do funeral, as crianças devem ir -  as despedidas são extremamente importantes no processo de luto;

Um beijinho nosso,
Um beijinho em especial hoje a Eles e à Avó SiSi!
Para sempre no nosso coração.

EueEles * Nós * EueVocÊs





terça-feira, 31 de outubro de 2017

COISAS BOAS A ACONTECEREM! EU & ELA



Espero que estejam bem e tão entusiasmados quanto eu! ;) Como vos tinha dito num post anterior o blogue está a mudar e novos projetos estão entretanto a acontecer. Um deles, e porque gostava de vos disponibilizar mais conteúdos científicos e técnicos de extrema importância para o nosso dia-a-dia, é o de ter no blogue técnicos "residentes" da área da psicologia, da terapia da fala, da psicomotricidade, da pediatria... a esclarecerem todas as nossas/vossas dúvidas... aqueles quês que nos preocupam taannnto!!! Foi assim que desafiei a equipa que coordeno - o 5 Sentidos a participar neste novo conteúdo e bom bom foi que Eles, para muito orgulho meu, aceitaram! 

Neste sentido gostava de vos apresentar a Cátia Morais - Psicóloga Clínica na equipa do 5 Sentidos e o meu braço direito e da  - minha amiga e sócia há longos anos - brevemente vou vos falar mais dela e de como em conjunto fundamos o nosso espaço!.

Pois bem,  a Cátia irá não só colaborar no blogue no sentido da partilha de conhecimentos técnicos úteis e atualizados como também irá contribuir ao nível do lifestyle para nos inspirarmos cada vez mais a sermos pessoas mais felizes e equilibradas. Que bom que Ela alinhou comigo! Na verdade o euelesnósevocês tem como objetivo falar de mim  enquanto mãe, mulher e psicóloga, D`Eles (dos meus filhos, dos técnicos, de temas que nos interessam...), de Nós (da minha família e de coisas que me inspiram) e de Vocês!!! 

Maravilhoso, não é?

Para que possam então conhecê-la melhor vou falar-vos um bocadinho dela:

Ora espreitem:

Nome: Cátia Morais
Idade: 27 anos
Profissão: Psicóloga Clínica 5 Sentidos - Mestre em Psicologia Clínica Cognitivo-Comportamental
Motivação para ter seguido Psicologia: Interesse pela mente humana e pelos diferentes tipo de comportamento
Caso até agora mais difícil: Perturbação obsessiva em comorbilidade com pertubação de pânico 
O que não gosta mesmo nada: atrasos e "perder o controle"!!!
O que a apaixona: as amizades verdadeiras, os pequenos prazeres do dia-a-dia que nos dão tanta felicidade e sim, claro, os seus cães!

Fiquem por aí! Coisas boas estão a acontecer!


Eu & Ela!




domingo, 29 de outubro de 2017

ESTA É A PALAVRA DE ORDEM!!!

Já vos disse por aqui num post anterior que nos últimos tempos a minha palavra de ordem é planear.

Planear, planear, planear! Na verdade poupa-nos imenso tempo, ajuda-nos a sentir mais seguras e confiantes e possibilita-nos ainda gerir melhor os recursos disponíveis. É por estas razões que normalmente ao domingo, planeio as refeições, o trabalho e as atividades que vou fazer em família e com os amigos. Claro que nem sempre consigo cumprir tuuuudo à risca mas não importa porque no final corre tudo melhor. Bem melhor.

É certo que uma boa dose de flexibilidade dá-me sempre muito mas muito jeito. ;)

Não sei se vos ajuda mas como para mim ter as refeições planeadas é sempre um sossego partilho com vocês o que pensei serem os nossos jantares esta semana. Muitas das ideias são dos blogues da Joana Roque: um mix do blogue As minhas receitas by Colher-de-Pau e Economia cá de Casa. Também ja vos tinha falado desta preciosa ajuda de que quase todas as semanas me socorro. Pois já! ;) É por isto que os blogues também são bons: inspiram-nos, aconselham-nos e facilitam-nos a vida!

Um beijinho e boa organização!

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Então para esta semana à partida teremos qualquer coisa como:

- Sopa todos os dias diversificada com legumes biológicos;

  • Arroz de tomate e pimento com pescada;
  • Bifinhos de perú com limão e couscous;
  • Penne com salmão fumado, queijo feta e maçã;
  • Salada de grão com bacalhau e ovos verdes;
  • Lombo recheado com alheira no forno;



De crescer àgua na boca não é?

Nunca nos faltam os "verdes" sempre a acompanhar. Os miúdos cá de casa devoram, sejam espinafres, agrião, alface...

Partilhem também as vossas sugestões. Concerteza vão dar um jeitão!

Hoje fala a mãe!

DIÁRIO DE UMA PSICÓLOGA #11

Este fim-de-semana foi cansativo, mas bom! Entre piscina, lides domésticas e preparar consultas houve tempo para organizar um jantar de Halloween como manda a tradição: sim: a rigor. 

Não somos propriamente fãs desta altura do ano e na verdade nunca antes assim tínhamos festejado mas também é certo que tudo o que é motivo para uma boa festa não precisa de muitas razões. É ou não?

Preparei tudo com Ele - o maiorquinha de 5 anos. Convidámos os amigos, escolhemos o que seria a ementa, decorámos a sala, iluminámos as abóboras e desenrascamos as fatiotas. Não podia ter corrido melhor.

Hoje de manhã depois de um longo serão, abordei-o:

- "João, qual foi a coisa que gostaste mais nesta festa?" - perguntei eu.
- "De tudo mamã... tudo foi mais mais! "- foi a resposta dele.
Vê-los tão felizes e colaborantes foi sem dúvida a melhor "doçura" deste nosso improvisado Halloween. Ficou o bichinho para o ano fazermos mais! Miúdos & Graúdos divertiram-se imenso!


hoje fala a mãe!

quarta-feira, 25 de outubro de 2017

QUANTAS VEZES JÁ TE DISSE PARA NÃO CHORARES!

Dizemos frequentemente aos miúdos: "Pára de chorar... quantas vezes já te disse para parares de chorar?!,  é ou não? No entanto ainda que o façamos cheias de boas intenções, a verdade é que para Eles pode significar um desrespeito pelos seus sentimentos e implicitamente podemos transmitir a ideia de que as emoções não devem ser levadas em conta.

Espreitem este vídeo e reflitam.

Boa noite!


a vossa psicóloga!